Poetas, críticos e o gado.

Não sou poeta, 
Seria se fosse gente, 
Uma pedra no sapato, 
Ou pelo menos inteligente, 
Menos demente a cada ato.

Se fosse poeta,
Ou disso tivesse vontade,
Escreveria epopeias de emoção,
Que resistiriam à idade,
Cheias de vaidade e ostentação.

Mas não, não sou poeta,
Os poetas não existem,
Se forem párias da educação,
Este veneno é para castas altas,
É para a elite de adoração,
É para os meninos dourados,
E para aquele que anda de nariz em pé,
Que fecha os portões sagrados.

Os tinhosos nunca serão mais...
Mesmo que nos seus textos,
Se obtenham verdades tais,
Que o poeta não é poeta,
Mas uma fonte de cristais.

E muitos não poetas como eu,
Que farão da poesia abrigo,
-- Seja por falta de sorte,
Suporte ou de um "bom amigo" --
Publicarão um livro após a morte.

Edgar Sacadura
Poemas e poetas da rua
Poetas, críticos e o gado. Poetas, críticos e o gado. Reviewed by Edgar Sacadura on quinta-feira, fevereiro 20, 2014 Rating: 5

2 comentários:

  1. Lindíssimo e completo do ponto de vista poético!
    Fez-me lembrar de um verso de uma música do Zeca Baleiro."Poeta bom meu bem,poeta morto"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo comentário, espero vê-la por cá muitas vezes a acompanhar o que faço :)

      Eliminar

Com tecnologia do Blogger.